Travel Blog Joao Cajuda

Ecocamp Patagonia

Ecocamp Patagonia

Localizado nos enormes vales verdes com vista privilegiada para as famosas Torres de Paine, o Ecocamp é o local ideal para te hospedares quando visitares este lindíssimo parque. O hotel está inserido de forma discreta na natureza, os quartos em forma de cabana (inspirados na arquitectura da ancestral tribo Kaweskar) estão cercados de vegetação que se misturas com as cúpulas propositadamente verdes dos domes. Na verdade quando se está longe quase nem se vê o hotel.

O Ecocamp é dos hotéis mais especiais que estive, toda a filosofia do hotel está virada para a natureza e tem como principal objectivo envolver nela os seus hóspedes nela sem abdicar dos pequenos luxos como por exemplo ter uma cama confortável e um copo de vinho à lareira, acreditem, é tudo aquilo que mais desejam depois de um dia de Trekking.

O Ecocamp é um dos resorts mais amigos da natureza, mesmo assim consegue ser um dos mais luxuosos. Todos os produtos usados são biodegradáveis, incluindo o champô e gel de banho fornecidos. As casas de banho têm um sistema de decomposição próprio e o uso de papel, plástico e outros materiais não orgânicos é muito limitado. Todo o lixo produzido é levado e reciclado para a cidade mais próxima de Punta Arenas.

Existem 4 tipos de quartos, eu fiquei no Suíte Dome, o quarto é bastante espaçoso com 28m2. As tentas são feitas de madeira, metal e cobertas por plástico verde tornando-as muito resistentes ao frio e fortes ventos da Patagónia. Os hóspedes podem ver todo o esplendor da natureza através das enormes janelas com vista para as montanhas.

 

A cama é muito confortável, não sei se era do cansaço, mas dormi sempre como se não houvesse amanhã. O quarto tem WC privada completa com duche e com aquecimento a gás propano, um espaço de leitura perto da janela e uma varanda com cadeiras, lareira… Tudo numa decoração inspirada, obviamente na Patagónia. A electricidade nos domes é limitada e alguns aparelhos como secador de cabelo não podem ser utilizados, de resto, computadores e cameras não há problema.

O hotel tem ainda os Community domes, áreas de convívio dos hospedes onde se encontram uma sala, um salão com bar que é incrível e ainda duas áreas para servir as refeições, assim como um espaço aberto com sofás para apreciar as magnificas vistas sobre o parque.

O hotel oferece varias tours no parque que são escolhidas no dia anterior e cujo briefing é dado pelos instrutores no salão do bar. O pequeno almoço é tomado na mesa do trekking escolhido na companhia dos outros hospedes que irão fazer esse tour. O jantar é escolhido de antemão, durante o pequeno almoço, consoante as várias opções que estão listadas no quadro de refeições. Depois do pequeno almoço, cada hospede prepara a seu almoço e lanche para levar no passeio. Existe uma enorme mesa com vários tipos de pão e ingredientes com os quais podes fazer sandes maravilhosas, podes juntar fruta, barras de cereais e chocolates. A água também é fornecida pela hotel, mas uma vez que não utilizam plástico é necessário levares garrafas térmicas para poderes transportar a água que normalmente podes encher novamente nos rios límpidos do parque. Todas as refeições estão incluídas. É todo um sistema difícil de perceber no primeiro dia mas que depois se torna uma rotina e que faz todo o sentido.

É interessante o conceito, acabamos por sentir que estamos na casa de amigos, onde temos a liberdade de fazer as nossas refeições, de chegar de um cansativo mas revigorante dia na natureza e temos a comida pronta no dome quentinho, de poder depois beber um copo de vinho no salão ao som de musica ambiente e poder partilhar com os outros hospedes as aventuras do dia… penso que convívio é a palavra de ordem aqui.

 

O hotel tem ainda um dome dedicado ao Yoga, onde todas as manhãs são oferecidas aulas antes dos passeios, tanto para iniciantes como para prós. Quem quiser pode até mesmo contratar um instrutor para umas aulas privadas.

Existem vários tours liderados por experientes instrutores que podem ser feitos através do hotel, quase todos estão incluídos no pacote. Eu fiz dois, até ao miradouro de Torres Paine e o Vale Francês. Torres Paine tem a melhor vista das Torres del Paine, é uma subida bastante inclinada de 1000m. É um pouco difícil, não tanto pelo terreno que apesar de ser acidentado e escorregadio, mas sim por ser cansativo. De qualquer forma vale muito a pena pela vista, como podem ver nas fotos. São aproximadamente 7 horas ir e voltar e é mesmo ao lado do hotel. O vale Francês é um dos mais bonitos trajectos que se pode fazer no parque, depois de 1 hora de carro onde tivemos a oportunidade de ver, não uma, nem duas, mas três pumas! Os instrutores estavam loucos de entusiasmo, de facto é um animal incrível. Apanhamos um barco de 30 minutos com vista para algumas das paisagens mais imponentes do parque. Depois segue-se uma caminhada de mais de 14 km (ir e voltar) em diferentes ambientes naturais. É muito bonita a caminhada e recomendo a todos… não é difícil, o terreno é bastante plano e passa por cascatas, rios, floresta densa, lagos, glaciares, tudo num dia de aventura.

Para quem está a pensar visitar Torres Del Paine, recomendo o Ecocamp por tudo aquilo que ele representa, pelo bom ambiente que tem, pela organização, localização e conforto.

Vê o vídeo que fiz durante a minha estadia lá!

 

Conecta-te com o Ecocamp Patagonia

Reservas:

www.ecocamp.travel/en

Olá! Eu sou o João Cajuda, blogger de viagens português e o criador deste site. Neste blog partilho as minhas aventuras pelo mundo e dou dicas de destinos, hotéis, restaurantes e actividades a fazer. Podem ainda viajar comigo através dos meus vídeos de viagens e dos meus tours de grupo que organizo para vários destinos! Visita a minha Agência de Viagens de Aventura LEVA-ME e junta-te a uma das minhas aventuras.

COMENTÁRIOS

Leave a comment